História

É certo que os homens pre-históricos habitaram essa parte da região de Bigorre, como atestam os machados de sílex, as pedras entalhadas e as ossadas encontradas nas grutas dos "Espélugues" (atualmente caminho da Cruz dos Santuários de Nossa Senhora de Lourdes).

Os gauleses, os romanos, os bárbaros e os mouros fortificaram sucessivamente o rochedo de Lourdes onde está edificado o Castelo Fortificado.

A partir do século IX, a cidade foi possessão inglesa e depois francesa. Durante as guerras de religião do século XVI, ela foi saqueada pelas tropas huguenotes.

No século XVII, a anexação de Bigorre à França (1607) e os progressos realizados no emprego das armas diminuíram a importância da cidadela. Ela conservou, contudo uma pequena guarnição, e tornou-se prisão do Estado (castelo).
Depois de atravessar sem muitos danos a Revolução Francesa (1789), Lourdes transformou-se, no século XIX, em uma cidadezinha aprazível. No início dos anos 1850, o castelo era ocupado por uma guarnição de infantaria. Nessa época, a cidade era apenas uma etapa para os curistas atraídos pelas águas das cidades de Barèges, Cauterets, Luz-Saint-Sauveur e Bagnères-de-Bigorre, e para os primeiros exploradores dos Pirineus a caminho do vilarejo de Gavarnie. Lourdes era então uma modesta capital de cantão de 4135 habitantes.

Entre esta gente, o moinho de Boly abrigou durante 10 anos François e Louise Soubirous e seus quatro filhos, cuja mais velha chamava-se Marie Bernarde, dita Bernadette (nascida em 7 de janeiro de 1844).

Em 1854, a família Soubirous cai na miséria: depois de perder um olho devido a um acidente de trabalho, François é acusado de roubo e encarcerado, e o moinho declara falência. Finalmente, a cólera faz 38 mortos em Lourdes. Bernadette, acometida pela cólera e pela tuberculose, conservaria uma saúde frágil por toda a sua vida.

Em 1857, obrigada a deixar o moinho, a família refugia-se numa antiga prisão de 16 m² chamada "le Cachot".
Aos 14 anos, sem saber ler nem escrever, e sem ter feito a Primeira Comunhão, Bernadette, aflita com todos esses eventos, viveria uma experiência extraordinária.

Em 11 de fevereiro de 1858, Bernadette, sua irmã Toinette e uma amiga, Jeanne Abadie, vão buscar lenha numa gruta chamada Massabielle, situada às margens do rio Gave. Enquanto Toinette e Jeanne catam lenha, Bernadette sente como uma brisa. Ao levantar a cabeça, a menina vê na cavidade da rocha uma formosa senhora, envolta de luz, que olha para ela e lhe sorri.

Esta primeira aparição seria seguida por 17 outras.

Há 150 anos, Lourdes recebe todos os anos mais de 6 milhões de peregrinos e visitantes.

Para mais informações

Office de Tourisme
Place Peyramale
65100 LOURDES
Tel 00.33.(0)5.62.42.77.40
E-mail : Enviar uma mensagem